AIDS e Leucemia felina: saiba como descobrir e tratar

27 de fevereiro de 2020

Por:


Especialista explica o que os tutores devem saber para garantir a longevidade do animalzinho portador de retroviroses felinas


Compartilhe:

Você já ouviu falar de FIV e FeLV?

São doenças causadas pelo retrovírus, comuns em ambientes com vários gatos, mas que podem atingir facilmente qualquer felino que tenha acesso às ruas.

A FeLV (Leucemia Felina) é provocada por um Retrovírus Gama com alguns subtipos e a FIV (Imunodeficiência), conhecida popularmente como AIDS Felina, é causada por um Lentivírus e age de forma parecida com o vírus HIV em humanos.

As duas doenças são exclusivamente felinas, transmitidas por contato, como lambeduras, mordidas e arranhões, mas também através da amamentação ou por via placentária.

A FIV, especificamente, também pode ser transmitida durante o acasalamento.

“O gatinho portador de uma das doenças pode ter uma vida longa e saudável, desde que hajam algumas ponderações e, por isso, fazer o teste no animalzinho adotado é muito importante”, explica o veterinário Vitor Castro, especialista em felinos e sócio da AmahVet, clínica veterinária que oferece uma gama de exames laboratoriais e de imagem, além de consultas com especialista e atendimento de emergências por preços acessíveis.

 

AIDS e leucemia felina

Cuidados mantém o bem-estar do pet. Foto: Freepik

O teste deu positivo. E agora?

As duas doenças são silenciosas, ou seja, o gatinho pode viver muito tempo sem manifestar qualquer sinal delas.

“São doenças oportunistas e que prejudicam a imunidade do animal, favorecendo casos de insuficiência renal crônica, linfoma, infecções respiratórias, rinotraqueíte, broncopatias, conjuntivites, gengivites, entre outros problemas de saúde. Com a FeLV é bem comum o pet apresentar seborreia, pelo seco e caspa”, comenta o profissional.

Além disso, Castro elenca alguns cuidados essenciais para evitar que as doenças associadas apareçam, aumentar a qualidade de vida e garantir a longevidade do bichinho.

Confira:

Evitar estresse

Não dê festas, nem receba visitas com muita frequência. Evite mudanças de endereço e viagem com os pets sempre que possível e, quando for inevitável, prepare o animalzinho para a alteração repentina de rotina.

“Deixar a caixa de transporte sempre à mostra ajuda bastante. Usar florais, Feliway (sintético do hormônio felino facial ou materno, que é comercializado na forma de spray ou difusor de tomada) ou Catnip (erva que provoca uma sensação de relaxamento e bem-estar) também é indicado para reduzir o estresse antes de eventos como esses”, orienta.

Fazer check-ups

Faça visitas frequentes ao veterinário, inclusive para fazer exames. Antes das consultas, o uso das substâncias citadas acima também é bem-vindo, já que o pet terá que sair de casa.

Enriquecer o ambiente

Gatos gostam de prateleiras em lugares altos e de arranhadores. Esses brinquedos melhoram a saúde mental do animal e são indicados para todos os felinos, especialmente para os portadores de FIV ou FeLV.

“O ideal é que os tutores tenham arranhadores de diferentes texturas para manter o interesse do pet”, afirma.

Oferecer ração de qualidade

Ter uma boa alimentação é essencial para que as doenças oportunistas não ataquem o bichinho de estimação.

“Indico sempre o uso de uma ração superpremium e, nesses casos, esse cuidado é ainda mais importante”, salienta.

Criar indoor

É recomendado criar os gatinhos dentro de casa para evitar contato com outros animais que podem ser portadores de doenças contagiosas, além de atropelamentos, maus tratos e outras situações de risco.

“No caso dos portadores de retroviroses é fundamental limitar o acesso a rua. Esses animais devem morar em casas teladas ou apartamentos sem rotas de fuga, para ter um ambiente controlado e o mais seguro possível”, recomenda Castro.

Manter a vacinação em dia

Além da quádrupla (também chamada de V4) que protege contra rinotraqueíte, calicivirose, panleucopenia e clamidiose e da vacina contra a raiva, já existe no mercado a imunização contra a FeLV.

“A FeLV é um pouco pior do que a FIV pois os sintomas acabam aparecendo com o passar dos anos. Por isso se o gatinho for diagnosticado apenas com imunodeficiência deve ser vacinado contra a Leucemia Felina”, salienta. E se o teste deu positivo apenas para FeLV a vacina também pode ser usada caso haja interesse em introduzir mais um gato no ambiente. “Nesse caso será preciso vacinar o gatinho saudável”, explica.

Castrar, especialmente as fêmeas

Animais castrados são mais comportados dentro de casa, além disso, com essas doenças se ficarem gestantes ou se adquirirem a doença durante a gestação têm grandes chances de abortar ou ter filhotes natimortos.

“Mas se os filhotes nascerem e sobreviverem não necessariamente vão ter a doença”, finaliza o especialista.