Coronavírus: cuidados com os animais de estimação

20 de março de 2020

Por:


Apesar de não haver indícios de transmissão entre humanos e animais pela Covid-19, cuidados são necessários. Além disso, pets podem ser afetados por outros tipos de coronavírus


Compartilhe:

A pandemia causada pelo novo coronavírus deixou a população mundial em alerta. Devido à alta contagiosidade, além da preocupação com a própria saúde e de familiares, muitas pessoas se preocupam com o possível risco de contaminação dos animais de estimação.

Os médicos veterinários enfatizam, sobretudo, que não há motivo para pânico, pois não há indicação que a Covid-19 contamine os cães. Existem, no entanto, coronavírus que acometem diferentes tipos de animais. Um exemplo é o vírus causador da Coronavirose Canina, também chamada de Gastroenterite contagiosa dos cães.

O animal, por meio de lambedura, via respiração ou alimentação, pode ser infectado. O médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti explica que o vírus vai para a mucosa intestinal do cão e posteriormente há a descamação da parede intestinal.

Coronavírus animal

Isso causa queda na absorção e digestão dos alimentos. Assim, conforme explica o veterinário, um dos primeiros sinais do problema é a prostração – apatia, ausência de reação a estímulos, bem como a falta de apetite.

Os sintomas clínicos incluem diarreia leve ou moderada, perda de peso, desidratação, elevação de temperatura e lacrimejamento.

O tratamento, explica Filetti, consiste em hidratação e medicação – com soros, vitaminas e remédios para vômitos e cólicas – do cachorro.

A medida para prevenir a Coronavirose Canina é simples: vacinação, por meio da V8 ou V10.

O profissional indica que cães podem ser vacinados a partir de dois meses de idade, e a segunda dose pode ser administrada três ou quatro semanas após a primeira.

Além de enfatizar a importância da vacinação, a veterinária Adriana Souza dos Santos, da AmahVet, também salienta que não há motivo para preocupação com transmissão cruzada – entre animais domésticos e humanos.

Apesar disso, no fim de fevereiro deste ano, um cão cuja dona foi infectada pela Covid-19 em Hong Kong testou positivo para a doença, deixando tutores alarmados.

Mais uma vez, os profissionais da área dizem que não é motivo para alarde, já que o cão teve como resposta “fraco positivo” para o novo coronavírus.

Adriana explica o que esse nível baixo do vírus indica.

“Significa que foi encontrado vestígios de RNA viral, porém que mesmo após análise, não foi possível concluir se o RNA era composto por partículas virais intactas que são as infecciosas ou se são apenas fragmentos do RNA, que não são contagiosos”, esclarece.

Já nos gatos, o coronavírus é responsável pela Peritonite Infecciosa Felina (PIF), que causa efusão pleural ou peritoneal – acúmulo de líquido livre no abdômen ou tórax.

A transmissão pode ser transplacentária ou pela eliminação fecal do vírus, e ainda não há uma vacina com a eficácia comprovada.

Outras espécies, como bovinos; galinhas; baleias belugas; cavalos e morcegos também estão sujeitos à contaminação por tipos de coronavírus.

 

coronavírus pets

Arte: Mala

Cuidados

Mesmo assim, cuidados devem ser adotados, especialmente em caso de tutor infectado. Segundo a WSAVA (World Small Animal Veterinary Association – Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais), a recomendação é evitar o contato entre humano contaminado e animal de estimação.

O motivo é, sobretudo, evitar uma possível infecção em outro humano que também tocou no animal.

Além disso, paciente com suspeita do novo coronavírus não deve ter contato com os brinquedos do animal.

No caso de pets com apenas um tutor responsável, é importante lavar bem as mãos antes e depois de interagir com o mascote e usar máscara facial, conforme orientação da WSAVA.

Para deixar o ambiente seguro é essencial manter local de permanência, bebedouros e cama sempre limpos e higienizados, e lavar os brinquedos regularmente.

Passeios podem ser realizados – para necessidades fisiológicas, por exemplo – longe de locais com aglomerações. Ao voltar para casa, patas e pelos do pet devem ser higienizados.

Portanto, com cuidados redobrados é possível manter o bem-estar de tutores e animais.