Som dos fogos de artifício pode trazer danos à saúde animal

28 de dezembro de 2019

Por:


Em casos extremos, animais podem ir a óbito. Alguns cuidados promovem a segurança e bem-estar deles durante as comemorações


Compartilhe:

As festas de fim de ano, apesar de um período de muita comemoração, são um tormento para os animais por conta dos fogos de artifício.

A audição dos animais é extremamente sensível e o barulho intenso pode causar, além de incômodo, ansiedade, fobia, agitação, vocalização excessiva, podendo até levá-lo a óbito.

“O ser humano ouve no intervalo entre 16 e 20.000 Hertz. Já o cão, ouve de 10 a 40.000 Hertz. A capacidade auditiva de um cachorro é quase quatro vezes maior. Ele também escuta um som quatro vezes mais distante do que um ser humano consegue ouvir”, explica a médica-veterinária Maria Cristina Reiter Timponi, presidente da Comissão das Entidades Veterinárias Regionais do Estado de São Paulo (CEVRESP) do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de SP (CRMV-SP).

Além disso, é comum que o pet passe o período de festas em um ambiente desconhecido, como hotéis ou creches animais.

Apesar do transtorno, os tutores podem tomar algumas medidas visando o bem-estar dos bichinhos.

Como agir?

Uma dica é realizar a sensibilização com sons estridentes, visando reduzir a sensação dos fogos, conforme explica a médica-veterinária Cristiane Pizzutto, presidente da Comissão Técnica de Bem-Estar Animal, também do CRMV-SP.

“É muito importante trabalhar isso ao longo do ano para que o animal vá se acostumando. Então, durante sessões de brincadeiras e interações muito positivas com o animal, você pode tentar incorporar alguns sons semelhantes aos fogos e tratar isso com naturalidade para que o animal vá se acostumando”, aconselha.

Acima disso, o ambiente que o animal ficará durante as comemorações precisa, sobretudo, ser seguro e não oferecer risco de fugas. Também é importante que não tenha vidros, cercas ou lâminas por perto.

Janelas e portas devem permanecer fechadas para reduzir o som externo, mesmo que o pet tenha passado pelo processo de sensibilização. Entretanto, caso o tutor opte por estar com o animal, deve agir naturalmente, não como se ele precisasse de proteção – apesar da intensidade dos barulhos.

 

As festas de fim de ano podem provocar bastante estresse nos animais. Foto: Freepik

 

O que fazer

O comportamento do bicho deve ser observado, pois alguns podem sofrer mais do que outros.

É importante ficar atento e ter o contato de um médico-veterinário de confiança para orientações dependendo do quadro.

Maria Cristina relata que em casos extremos, por exemplo, são necessários sedativos – aplicados somente sob orientação médica.

A profissional aconselha utilização de algodão parafinado nos ouvidos do animal, sem esquecer de tirá-los assim que o barulho cessar.

Já Rosangela Ribeiro Gebara, da Comissão de Bem-Estar Animal do CRMV-SP, indica a prática de caminhada ou exercícios antes da queima de fogos.

Dessa forma, o pet pode ficar um pouco mais relaxado. Além disso, a médica-veterinária ressalta que deixar o animal preso na corrente oferece grandes riscos, pois a agitação pode provocar enforcamento ou outro tipo de acidente.

Assim, o cão deve estar em um cômodo confortável. “Se o cão, quando está com medo, entra embaixo da cama, deixa ele ter acesso a isso”, salienta Rosângela.

Em relação às aves, ela pontua que também precisam de cuidados. Os efeitos do som devem ser minimizados ao máximo, deixando a gaiola em um local com o maior isolamento acústico possível, e cobrindo-a com um pano, por exemplo.

Televisão

Dois canais de TV a cabo prepararam uma ação especial para os pets na virada de ano.

O National Geographic Core e o National Geographic Wild transmitirão o programa Sinfonia Pelo Planeta a partir das 23h55 de terça (31).

Com duração de cerca de 45 minutos, o especial conta com imagens da natureza e música clássica. A iniciativa existe desde 2017, e os desenvolvedores afirmam que foram realizados estudos para comprovar a eficácia da programação.

Técnica do pano

Uma técnica popular é chamada de Tellington Touch (ou TTouch, conhecida também como “truque do pano”), para reduzir os efeitos do estresse, e consiste em bandagens que aplicam compressão no tórax do animal, promovendo uma espécie de abraço.

Apesar de pesquisas indicarem a liberação de ocitocina com o método, conforme pontua Rosangela, é importante ressaltar que os cães possuem comportamentos individuais, e que a tentativa é válida para promover o bem-estar deles.

Diferentes tutoriais para o truque da faixa estão disponíveis na internet. Resta escolher o que achar melhor e aplicar no companheiro de quatro patas.

Além disso, alguns locais vendem uma roupinha pronta para obter o efeito das faixas.

Confira um vídeo, em inglês, que mostra o passo a passo: